domingo, 26 de julho de 2009

Introdução


Daí que a gente cresce com aquela coisa de que ser gordo é falta de vergonha na cara, ou falta de amor próprio, ou problemas com o "encarar a realidade", ou porque acha que os outros não amam o ser em questão e a gordura é como um abraço (esse último acho o mais bizarro de todos!)

Então, desde cedo se aprende que se você não veste determinado número de roupa, não se mata ou na academia ou com aquelas bolinhas que te prometem mundos e fundos, não está na moda, pobre de você, não será nada nessa vida. Um pária. Um ninguém. Um ponto de referência.

E chega um momento que se surta. Se surta muito. Ainda mais se você é 8 ou 80. E daí que vc entra numa seita chamada Vigilante do Peso. E aí você já escutou tanta coisa, já foi (mal) influenciada por tanta gente, por tantas bolinhas, que você realmente surta. Surta na mão de uma orientadora que quer que vc pese 60 quilos. E só lá, naquele ponto tão distante, é que você será feliz. Lá é o seu pote de ouro. E lá que você tem que chegar. Custe o que custar. Então, Dorothy, coloque os seus sapatos vermelhos e vamos lá.

E alguém se importa você está anoréxica? Claro que não... Porque você está magra. Porque você está linda. Porque você está perfeita.

Alguém se importa se a sua alimentação é um caldo de tomate? Claro que não... Porque você está magra. Porque você está linda. Porque você está perfeita.

Alguém se importa se vc sai desmaiando pelos cantos? Claro que não... Porque você está magra. Porque você está linda. Porque você está perfeita.

Porque, todo mundo sabe Now everything is cool as long as I'm getting thinner.

Mas, de repente, você vê que nem tudo são flores e que não são os quilos a mais ou os quilos a menos que vão te fazer efetivamente feliz. E com esse discursinho (pseudo)libertário do sistema, vc volta lá pros 80.


Então vc cria não uma nova realidade... Mas percebe que há realidades muito piores que a sua. E aí, naquele instinto humano de preservação, sai dizendo por aí que todo mundo tem problemas mesmo, não seria vc diferente. O que é diferente é o problema. Porque a sociedade, aqueles que te querem bem, os médicos, os professores, os policiais e o caralho a quatro, vão dizer que o seu problema é inaceitável E volta lá naquela coisa de falta de amor, de que vc come para fugir dos problemas etc e tal. Imagina.... quem só pensa em dieta, quem só fala dos quilos que tem que perder, quem passar horas e horas na academia, quem compra bolinhas de origem duvidosa, quem faz duas plásticas por ano, que coloca silicone na panturrilha, não... não tem problemas... Porque estão pensando na sua saúde.


E nesse meio tempo aparece uma tal de cirurgia revolucionária. Vai acabar com o mal que te assola. Pobre de vc, porque deve ser alguém muito infeliz. Amargurado. Porque só quem é amargurado pode ser tão gordo. E ser gordo é ser infeliz. Essa coisa de que gordo está sempre sorrindo é pra encobrir a verdade, esconder toda a tristeza e frustração que o assola. E aquelas pessoas que juram que querem o seu bem, começam falando como seria bom vc fazer tal cirurgia. O que que tem se ainda é experimental e pessoas morrem? É a sua porta para a felicidade! Pode fazer pelo SUS. Pode fazer pela UFRJ. E vc manda os tomadores de bolinha calarem a boca. Porque é gente que não tem moral nenhuma para falar com vc.


E, claro, no resquício de rebeldia adolescente que existe em vc, vc fala que tal cirurgia é para fracos. Só precisa de força de vontade, vergonha na cara (por que não foi isso que te venderam a vida inteira? Que gordo não tem vergonha na cara?). Então, é isso. Você não emagrece agora porque ainda não quer.


E começa aquela coisa, aquela peregrinação por médicos, por dietas mirabolantes, por remédios (sibutramina rules!), por academia (aquela coisa que se odeia, mas que vc vai. Isso não é força de vontade? Ou é masoquismo? Não são sinônimos?). Daí que se escuta de tudo. Que a sua tireóide é capenga, que o seu metabolismo é preguiçoso, que a culpa é da genética. Emagrecer? Não, isso não acontece. Então é algo de Deus mesmo. Ele Quer que vc seja gordo. Então, esquece.


Só que uma hora cansa. Tudo cansa nessa vida.


I don't know what's right and what's real anymore

I don't know how I'm meant to feel anymore

When do you think it will all become clear?

'Cuz I'm being taken over by the fear



E daí que vc cansa. Porque tem gente que cansa de tudo na vida. E vc muda a sua idéia com relação a algumas coisas. Porque só não muda quem já morreu. Pode ser porque vc chegou aos 30 e nessa idade a rebeldia já não é o mais forte da sua personalidade. Pode ser por causa do Retorno de Saturno. Ou pode ser porque vc já conseguiu provar a todo mundo que pode ser gordo e feliz, ter emprego, realizações e amigos. Que realmente todo mundo tem seus problemas, mas que, no fundo, no fundo, tudo está relacionado a como vc lida com eles e que não, nem todo mundo que é obeso o é porque se afoga em potes de sorvete. Pelo contrário. Tem gente que deixa de comer e mete o dedo na goela.


Ah, claro. Rola aquela lembrança de que tudo que é demais é castigo, e, realmente, gordura em excesso faz mal a saúde. E esse é o seu problema, é isso que vc tem que efetivamente encarar. Pode ter chegado aos 30, linda e poderosa, mas se pode garantir chegar aos 40? Imagina... ter problemas por causa de uma rebeldia, inexplicável.


Então, vc passa a agir com a sua cabeça, fazendo da maneira que acha mais correta. Não, não. Nada de espalhar aos 4 ventos. Nada de exageros. Só pé no chão. Procura pelos riscos, pelos métodos, pelos médicos. Não vai pela moda. Não coloca o sol na peneira. É um problema? É. Por quanto tempo? 30 anos. O problema é a obesidade e ponto final. Não dramatiza, por favor, não procura pelo porquê... Porque ele é bem óbvio: gosto de comer. Comer coisas boas, caras, a quantidade que quero e quando quero. E é isso. Assuma isso. Assuma que o erro foi aí. E ponto final. Um problema resolvido, passemos a outros.


E então, sem alarde, sem publicações, sem agonias. Você vai lá e encara a faca.



E depois eu conto como é que foi...


=)

Nenhum comentário:

Postar um comentário